Notícias


Publicado em:
1
4/2019

“É por meio das brincadeiras que a criança estabelece contato com o mundo físico e social”, diz educadora

Professora da Educação Infantil fala sobre a importância do brincar e do papel do adulto neste processo.



Metatags: Escolar Office Brasil, ABRIN, Brincar, Educação Infantil
Reprodução

Qual criança não gosta de brincar? Pois os especialistas explicam que o que parece apenas diversão é, na verdade, a base para todo desenvolvimento infantil. É nesses momentos lúdicos que os pequenos, ao explorarem o mundo, tornam-se grandes investigadores, alcançando níveis superiores de pensamento.


Pela brincadeira a criança se expressa e forma sentidos sobre o mundo, além de atuar simbolicamente nas diferentes situações, elaborando conhecimentos, significados e sentimentos.


“Quando as crianças brincam, assumem diferentes papéis e criam mecanismos para agir diante da realidade, substituindo ações cotidianas pelas cumpridas pelo papel assumido. É por meio das brincadeiras que a criança estabelece contato com o mundo físico e social”, afirma Ana Paula Alberto Lopes, professora regente na Educação Infantil do Colégio Marista Champagnat, de Ribeirão Preto (SP).


E o brincar é nada mais do que isso: explorar, conhecer um objeto a fundo, sua funcionalidade, e, assim, criar e recriar novas possibilidades, potencializando a aprendizagem.


Neste processo, o papel do adulto é fundamental para a construção do simbólico no pensamento infantil. Ademais, é importante construir vínculos, afeto, criar memórias que ecoam no imaginário das crianças, possibilitando um desenvolvimento sadio e integral.


O educador, ao assumir esse papel de mediador das relações, faz com que a criança pequena perceba a essência do pensamento do outro, possibilitando uma melhor socialização e organização do próprio pensamento. “Aqui lembramos o papel filosófico do ato de educar. A criança ao manipular, explorar, vivenciar, investiga tudo que está a sua volta, e assim seu pensamento vai se constituindo”, ressalta Ana Paula.


Existem três etapas fundamentais da brincadeira de acordo com o desenvolvimento da criança: de 0 a 2 anos de idade, quando a criança está adquirindo suas competências motoras e desenvolvendo autonomia; de 2 a 7 anos de idade, quando a criança já é capaz de produzir imagens mentais e, com a fala, substitui objetos por símbolos; a partir de 7 anos de idade, quando a criança passa a ter um entendimento melhor sobre seguir regras.


É importante que, nas brincadeiras e jogos, a criança desenvolva estratégias para tomar decisões. Assim, ela interage socialmente, descobrindo que não é o único indivíduo envolvido nas ações, ampliando a empatia e a capacidade de entender os objetivos de outras pessoas. 


“O ato de brincar, de experimentar, sentir, explorar, investigar na educação infantil é fundamental, criando assim a base para o pensamento filosófico e investigativo, sustentado pelo vínculo e afeto, tão essenciais para o desenvolvimento infantil sadio”, ressalta Ana Paula.

Fonte: Primeira Página


Últimas notícias

Como proporcionar uma verdadeira experiência de compra ao consumidor

Patricia Cotti, diretora Executiva do IBEVAR, pondera que deve existir um equilíbrio entre tecnologia e toque humano para uma conexão mais agradável e completa.
Leia Mais

E-commerce deve explorar melhor as vendas via celular para manter ritmo

Previsão é que o volume de vendas do comércio eletrônico salte 15% em 2019, mas fatores como frete e logística precária são desafios para o mercado virtual chegar às regiões mais longínquas.
Leia Mais

Projeto de lei estipula peso máximo de mochilas no RJ

Governador tem até 15 dias úteis para sancionar ou vetar iniciativa.
Leia Mais