Notícias


Publicado em:
28
3/2019

Ação com amostra grátis potencializa aproximação entre indústria e varejo

Empresas como Dafiti, Ri Happy e Lojas Marisa veem chance de agregar valor ao produto com o envio de ‘brindes’. Nível de receptividade é o termômetro para conhecer melhor o consumidor.



Metatags: Negócio, Vendas, Consumo, Consumidor, Amostra Grátis, Relacionamento
Divulgação

O varejo e a indústria brasileira têm intensificado o processo de aproximação nos últimos anos de diferentes formas. Entre as iniciativas, ações envolvendo amostras grátis tornaram-se caminho para divulgar os lançamentos de produtos e fidelizar o consumidor final às lojas de diferentes formatos.


Um dos exemplos de varejistas que estão trabalhando em conjunto com fabricantes para agregar valor aos produtos é a loja online de calçados e vestuário Dafiti. “Temos identificado essa oportunidade de gerar mais satisfação na hora que o cliente recebe o produto em casa, tendo em vista que, no momento do recebimento do item, existe grande expectativa do consumidor”, argumentou o diretor de B2B do e-commerce Dafiti, Francisco Faulhaber.


O executivo conta que existe “seletividade” nas escolhas desses brindes de acordo com o perfil do cliente e que as ações são realizadas conforme estudos e análises prévias. “Sempre buscamos fazer um casamento entre o perfil do público e o tipo de ação. Já fizemos iniciativas com itens como perfumes, sabonetes líquidos e produtos alimentícios”, disse o executivo.


Como resultado efetivo dessa estratégia de aproximação com o cliente, Faulhaber destaca também que o benefício comercial de ações como esta vai além do valor agregado aos produtos. “O que identificamos também com esse tipo de ação é conhecer os hábitos de consumo do cliente por meio de pesquisas e questionários. Para nós, compreender o perfil do consumidor é importante para o desenvolvimento de soluções e serviços novos da empresa”.


Outra rede varejista que viu a oportunidade de engajamento do cliente por meio de amostras grátis é a Ri Happy, especializada em brinquedos e jogos para o público infantil. “Neste ano, começamos uma série de ações de amostras grátis com itens como lenços umedecidos, bolachas da Nestlé, fraldas e creme para assaduras. O que percebemos é que as compras são feitas nos finais de semana. Nossa abordagem sempre é voltada para os pais da criança”, argumentou o responsável pelas parcerias de marketing da Ri Happy, Paulo Rogério Pomponio.


Na opinião do executivo, dependendo do perfil do cliente e, sobretudo, da localização em que está, o caráter da ação pode variar de loja para loja. “A percepção dessas iniciativas é maior em negócios mais ‘populares’, especialmente quando direcionada para os públicos C e D”, diz Pomponio.


No que diz respeito à periodicidade de cada atividade comercial, Pomponio afirma que “geralmente as ações demoram um mês” e que não ocorrem na mesma época de datas importantes do varejo, pois o “ritmo” de consumo nas lojas é rápido e, dessa forma, o propósito de amostras grátis perde o sentido.


Outro exemplo de varejista se aproximando da indústria é a rede de Lojas Marisa. “As implementações dessas ações variam de acordo com as campanhas vigentes, sendo sempre um complemento à estratégia da companhia. Buscamos produtos relacionados ao universo feminino e adequados para nossa cliente”, afirmou a diretora de marketing das Lojas Marisa, Andrea Sanches, destacando que as ações da varejista já tiveram itens como perfumes femininos, sabonetes líquidos e shampoo.


Uma das startups que fazem a ligação entre players da indústria nacional com estabelecimentos do setor do varejo e serviços é a Samplify. “Às vezes, a pessoa não está em um dia muito bom e ela ganha um chocolate, um chá, um perfume. O humor dela muda. Automaticamente ela associa o estabelecimento a uma sensação prazerosa de receber um mimo e essa é uma ótima estratégia para fidelizar esse cliente”, argumentou o fundador da startup, Ernesto Villela.

Fonte: Primeira Página, com informações do site DCI.


Últimas notícias

Como proporcionar uma verdadeira experiência de compra ao consumidor

Patricia Cotti, diretora Executiva do IBEVAR, pondera que deve existir um equilíbrio entre tecnologia e toque humano para uma conexão mais agradável e completa.
Leia Mais

E-commerce deve explorar melhor as vendas via celular para manter ritmo

Previsão é que o volume de vendas do comércio eletrônico salte 15% em 2019, mas fatores como frete e logística precária são desafios para o mercado virtual chegar às regiões mais longínquas.
Leia Mais

Projeto de lei estipula peso máximo de mochilas no RJ

Governador tem até 15 dias úteis para sancionar ou vetar iniciativa.
Leia Mais